A freguesia da Caniçada localiza-se a 9 Km NW da sede do concelho de Vieira do Minho, ocupando uma área geográfica de 649 hectares. Limitada a Noroeste pela Barragem com o mesmo nome, subindo a encosta do Cávado pelo lado Nordeste até ao cume da serra, temos a freguesia de Ventosa a servir de fronteira. No limite superior e numa posição já a sul na zona de Lamas de Heidos aparece Eira Vedra. Descendo agora a mesma encosta na posição poente, aparecem a limitar Tabuaças e, depois, Soengas confronta até à posição de partida na albufeira.
Pertence ainda a esta freguesia uma vasta parcela de território limitada a norte pela albufeira, a nascente por Soengas, a sul por Serzedelo (Póvoa de Lanhoso) e a ponte por Parada de Bouro. Desagregada da área mais povoada pela inundação da barragem, tem como principal aglomerado urbano o lugar de S.Miguel e algumas habitações dispersas de ocupação sazonal.

Referem-se-lhe documentos a partir de 1059: “et inter Catavo et Penafiel villa Canizada; 1220 ” De Sancto Thome (sic) de Canizada” no territorio de Penafiel do Soaz; as Inquirições de 1258: “in collatione Sancti Mametis de Canizada”, julgado de Penafiel; em 1320, no território de Vieira.Caniçada foi sede do concelho de Penafiel de Soaz, que englobava as actuais freguesias de Caniçada, Cova, Soengas, Ventosa, Vilar da Veiga e Louredo (foral concedido por D.Manuel I em 26-07-1515).

Em 1672 os Condes de Unhão mandaram colocar o Pelourinho com as armas dos Silvas onde se destacava um leão cuja associação às armas do rei de Castela, levou os populares a promover a sua destruição. Esculpiram então as armas reais no brasão do pelourinho, lamentando-se o seu desaparecimento. A sua imagem está registada na página 103 da Nota Histórica e Descritiva de Vieira do Minho do Padre José Carlos Alves Vieira. Acreditamos que o vaticínio trágico do seu destino mencionado na página 526 daquele livro, ainda não se concretizou e, para a memória dos vindouros, seria interessante recuperar esse importantíssimo monumento que atesta a história desta freguesia.

Actualmente, podemos observar ainda o fuste no largo do córrego próximo da igreja. Tem por suporte uma base granítica com um ligeiro rebordo superior. É ligeiramente galgado e termina com uma moldura dupla na parte superior, onde se observam ainda os ferros de fixação da peça de remate.

Imóveis de Interesse Patrimonial

  • Pelourinho (no lugar do Assento – primitivamente estava no lugar da Picota-, classificado como imóvel de interesse público pelo Decreto-Lei nº 23122, de 11/10/1933)
  • Antiga Cadeia (situa-se na casa da Picota, existe ainda a porta  junto ao caminho)
  • Alminhas em pedra (no lugar de Rechã sendo um imóvel etnográfico e religioso); Igreja Paroquial (Construção do séc. XIX, situada no lugar de Assento).
  • 3 capelas na área da freguesia: S.Miguel no lugar com o mesmo nome; Srª da Glória na Rechã e outra no lugar de Cibrão, integrada na recentemente remodelada Quinta do Brasão da Caniçada.

Casas de interesse patrimonial

Aglomerado Rural da Picota (em Paço); Zona envolvente antigos paços do Concelho; casa do Paço; Quelha da Cadeia; casas com uma interessante traça arquitectura popular e um canastro de pedra; a Casa do Encomum data de 1785, tem uma eira com arcos em pedra e uma capela; Casa de Cibrão data do Séc. XVIII, tem pedra de armas na fachada principal da sua capela. Pertenceu ao capitão António Vieira Barbosa de Araújo. Foi recentemente restaurada e adaptada para hotel rural com a designação de Quinta do Brasão da Caniçada; Casa de S.Miguel e Capela de S. Miguel remontam ao séc. XVIII. 

Outros locais de interesse turístico

Barragem de Caniçada (pesca, vela, etc), cascata de Fagilde

Esta freguesia é composta pelos seguintes lugares:

Arejal, Assento, Barbedo, Barrosenda, Bolada, Bragadelas, Cabanas, Chelo, Chãs, Cibrão, Encomum, Fagilde, Fajô, Freita, Muro, Outeiro, Pardainha, Portela,  Raposeira, Rechã, S.Miguel, Toucedo e Tojeira,

Festas e Romarias

Sr.ª do Rosário – 7º Domingo após a Páscoa

Sr.ª da Glória – último Domingo de Junho (Rechã)