A freguesia de Parada de Bouro fica situada a 13 Km da sede do concelho na margem esquerda do rio Cavado. O seu topónimo está associado à influência que o vizinho convento de Stª Maria de Bouro teve nos primórdios da nacionalidade. O limite norte desta freguesia é definido primeiro pela Albufeira de Caniçada desde o lugar de Pandozes até ao coroamento da barragem e depois, a jusante desta, pelo rio Cavado. Pela mesma ordem deste limite, aparecem no lado oposto as freguesias de Valdozende (Terras de Bouro) e, próximo da ponte do Boco, inicia-se o limite com Bouro Santa Maria (Amares). Na parte poente, caminhando no sentido N-S, aparecem as freguesias da Póvoa de Lanhoso, Friande, Rendufinho e, já a sul, Frades e Serzedelo. A nascente, os limites são definidos pelas freguesias de Tabuaças e, finalmente, Caniçada conclui o círculo envolvente.

Em termos topográficos, esta é a freguesia do concelho cujos aglomerados se situam a menor altitude média: a título de exemplo, a principal via de acesso aos três maiores aglomerados urbanos, a EM-595, desenvolve-se pelos níveis médios da cota 250 em Pandozes, 120 em Cabo D`além e 130 em Aldeia. Daí a razão desta freguesia ter um clima ameno e ser conhecida pela terra da boa fruta, com especial destaque para as famosas laranjas de Parada. Aliás, esta zona apresenta um micro clima que permite culturas impossíveis nas restantes freguesias do concelho. Existe ainda no extremo sul, no topo da encosta de S. Mamede, um pequeno aglomerado – Portela – que embora pertencendo a Serzedelo (Póvoa de Lanhoso) tem algumas habitações em território de Parada, se bem que estejam recenseadas e desenvolvam grande parte das suas actividades viradas para o concelho vizinho por razões de conveniência geográfica. Parada tem uma forte influência do rio Cavado, que esculpiu o seu leito no vale até à profundeza das rochas graníticas, sendo possível observar zonas de grande beleza próximo da ponte que liga a Bouro. Este local é bastante procurado no período estival, onde é possível usufruir da transparência das águas e da vegetação luxuriante, ingredientes fundamentais para quem procura umas férias de merecido repouso e desfrutar bons momentos de lazer. A partir do vale, Parada expande-se pela encosta sul até ao alto do monte de S. Mamede, cujo ponto mais alto fica à cota 743 e a partir do qual se observa um trecho panorâmico fabuloso sobre a albufeira e o Gerês.

História

Esta povoação vem mencionada em documentos de 1059. Teve foral e couto, doado por D. Sancho I à sua amante, Dª Maria Pais Ribeiro também conhecida por Ribeirinha e aos filhos que dela tinha. Compunha-se das freguesias de Parada de Bouro, Frades e Friande (da Póvoa de Lanhoso. Chegou a ter o direito do administrar justiça nas causas de crimes, e tinha cárcere e forca. A coluna do pelourinho está no actual cruzeiro, tendo desaparecido o remate superior. Com a evolução dos tempos a vila deixou de ter os privilégios e regalias que a nobre Ribeirinha proporcionou e acabou ser incorporada noutro concelho, aproveitando o foral da Ribeira do Soaz, concedido por D. Manuel I, a 16-7-1515.

Imóveis de Interesse Patrimonial

  • Castro do Monte de Penafiel de Soas – conhecido pelo Monte de S. Mamede – situa-se a cerca de 740m de altitude, dividido pelos concelhos de Póvoa de Lanhoso e de Vieira do Minho. No cimo, existem duas capelas e uma sepultura escavada na rocha. Segundo documentos antigos, foi neste monte que se encontrou uma sepultura de incineração com um cossoiro.
  • Igreja Paroquial dedicada a S. Julião é de construção setecentista – 1789- e foi reconstruída em 1983 embora bastante descaracterizada da sua traça original; o campanário ao lado da igreja, tem uma curiosidade particular que consiste na existência de uma figueira junto aos sinos que persiste em dar fruto apesar das diversas tentativas de a eliminar;
  • Pelourinho do séc. XVII (no local do cruzeiro), sendo do antigo couto de Parada de Bouro, foi classificado com imóvel de interesse público pelo Decreto-Lei nº 23122, de 11/10/1933.
  • Capela de S. Sebastião de construção setecentista -1696-, situa-se no lugar de Pandoses.
  • Capela de Nossa Senhora dos Prazeres foi construida no século XVIII, em 1732-, situa-se no lugar do Cabo de Além. Por cima da porta principal, encontra-se um nicho que alberga uma imagem em granito representando Nossa Senhora.
  • Capela da Casa Senrela, inicialmente era dedicada à Senhora dos Remédios, sendo actualmente reconhecida por invocação popular à Nossa Senhora das Dores.
  • Capela da Quinta do Sorilhal.
  • Capela da Casa do Vale dedicada a Santa Ana, destacando-se os invulgares orifícios oculados.
  • Ponte de Parada ou ponte do Boco situa-se no lugar de Aldeia, sobre o rio Cávado, ligando Parada de Bouro a Santa Maria de Bouro. È uma construção contemporânea (Séc. XX) de um só arco e foi uma das primeiras pontes do país a ser construída em cimento armado.

Casas de interesse patrimonial

  • Casa de Senrela é uma construção do séc. XVIII com capela da Sr.ª dos Remédios, exibindo um bonito portão brasonado, cujo brasão de armas foi passado a 27-04-1777 pela rainha D. Maria I ao Capitão Manuel da Silva Sousa Barbosa.

  • Casa do Sorilhal, tem boa traça arquitectónica, sendo uma construção setecentista, com capela, foi recentemente restaurada e constitui uma excelente unidade de Turismo em Espaço Rural

  • Casa do Outeiro, uma construção do séc. XVIII

  • Casa da Rua, construção provavelmente dos finais do séc. XVII ou princípios do séc. XVIII, todas em Aldeia;

  • Casa de Fundevila, foi reconstruída neste século apresentando um pouco da sua traça primitiva.

  • Casa do Vale, tem capela de Santa Ana e apresenta um bonito portão armoriado cujo brasão de armas foi passado ao Capitão Mor da Ribeira Soaz António José de Araújo Vale, em 20-10-1756.

  • Casa do Carvalho, bom exemplar da nossa arquitectura rural.

  • Casa da Rocha, construção possivelmente dos finais do séc. XIX

Outros locais de interesse turístico

Rio Cávado, Barragem, Monte de S.Mamede

Esta freguesia é composta pelos seguintes lugares:

Aldeia, Cabo D Além e Pandoses

Festas e Romarias

S. Sebastião – Domingo posterior a 20 de Janeiro

Sr.ª dos Prazeres – 2º Domingo de Agosto

S. Julião – Data variável em Agosto